Entenda como é feito o atendimento em caso suspeito de coronavírus (Covid-19)

O protocolo orientado pelo Governo Federal via Ministério da Saúde, que é cumprido pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam), bem como pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), define critérios claros a serem adotados, em casos suspeitos do novo coronavírus (Covid-19).

A principal orientação é que a população só deve buscar a realização do teste para o coronavírus, se apresentar, principalmente, febre, associada a algum sintoma respiratório (tosse e falta de ar).

O primeiro passo recomendado para as pessoas que apresentem sintomas de Covid-19 é procurar atendimento inicial em unidades básicas de saúde da rede pública estadual ou municipal, ou ainda na rede particular. O paciente deve informar, no primeiro atendimento, sobre a suspeita da doença. Na etapa de triagem, o paciente é direcionado a uma sala isolada, onde recebe uma máscara e é feito o atendimento médico.

A diretora do SPA Joventina Dias, Elcinei Sampaio, explicou como é feito o atendimento inicial dos pacientes. “O protocolo é chegar até a nossa recepção, a nossa triagem, onde é feita a entrevista para saber se esse paciente viajou para fora do país, para fora do Estado ou se ele convive com alguém que viajou para fora do país, onde tem foco de coronavírus. Toda a rede pública e a rede privada encontram-se treinadas pelo Governo, pela Secretaria de Saúde, para desenvolver esse trabalho e para receber as pessoas que precisarem de atendimento em relação ao coronavírus”, garantiu a diretora do SPA.

A avaliação médica é o que vai definir se o paciente atende aos requisitos de caso suspeito. Se o médico considerar que está diante de uma definição de caso suspeito, será acionada a Vigilância Epidemiológica da FVS ou da Semsa (Secretaria Municipal de Saúde), para que seja feita a coleta de material pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen), credenciado junto ao Ministério da saúde.

Exame

Após a coleta de material, há um prazo de 48 horas para o diagnóstico laboratorial. A coleta de material da naso-faringe do paciente é feita por equipes especialmente treinadas pelo Lacen.

A diretora-presidente da FVS, Rosemary Costa Pinto, orientou o que deve ser feito pelo paciente, enquanto ele espera o resultado do exame. “Vai depender do estado clínico dele. Se ele está em um estado que precisa de internação, ele vai ser internado e mantido em isolamento dentro do hospital. Caso contrário vai ser liberado, com as recomendações de se manter isolado e esse isolamento precisa ser obedecido, ou seja, não deve entrar em contato com mais ninguém da família, tem que ficar em um quarto bem arejado, tem que se alimentar adequadamente, usar água e sabão para lavar as mãos, medidas adequadas com relação à higienização de sanitários, levando em conta que o vírus pode ser excretado pelas fezes”, pontuou Rosemary.

Quando o resultado do exame sair, se for positivo, as medidas de controle serão intensificadas, aliadas ao tratamento. Durante esse período, o quadro de saúde do paciente é monitorado pelas equipes de Vigilância Epidemiológica. Se o paciente apresentar sinais de gravidade, será encaminhado para atendimento.

“Se não for um caso que exija internação, o tratamento será em casa, porque é necessário mantermos os leitos hospitalares para aquelas pessoas que realmente precisam de um atendimento hospitalar. Não é recomendado que pessoas com sintomas leves façam testes e nem fiquem hospitalizadas”, frisou diretora-presidente da FVS.

Conforme os estudos, 80% das pessoas acometidas pela Covid-19 apresentam sintomas leves, apenas 20% agravam e, desses, 5% irão apresentar complicações, precisando de internação em UTI.

Passo a passo do atendimento em casos suspeitos:

– Se apresentar sintomas, o paciente deve buscar atendimento em unidades de saúde da rede pública ou privada.

– No primeiro atendimento, o paciente deve informar sobre a suspeita da doença.

– O paciente é direcionado a uma sala de isolamento, onde recebe uma máscara e aguarda atendimento médico.

– O médico avalia se o paciente atende os requisitos de caso suspeito e aciona a Vigilância Epidemiológica da FVS ou Semsa.

– O Laboratório Central é acionado para fazer coleta de material da naso-faringe do paciente, com prazo de até 48 horas para resultado.

– Durante esse período, o paciente é colocado em isolamento domiciliar e o quadro de saúde é monitorado pela Vigilância Epidemiológica.

– Em casos positivos, as medidas de controle serão intensificadas, aliadas ao tratamento do paciente em casa ou unidade hospitalar, de acordo com a gravidade do caso.

– Se o paciente estiver em casa e apresentar piora no quadro, a Vigilância providencia a remoção dele para uma unidade de Urgência e Emergência, para atendimento e tratamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.