MPF apura prejuízos de possível fechamento de varas federais no Amazonas

O Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas instaurou um procedimento administrativo para apurar o potencial dano aos direitos e ao atendimento aos povos indígenas e comunidades tradicionais no Estado do Amazonas e em outros locais do país com o possível fechamento de varas federais nos municípios de Tefé (a 523 quilômetros de Manaus) e Tabatinga (a 1.108 quilômetros da capital) e em outros seis municípios brasileiros.

Decisão liminar do corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no Pedido de Providências nº 0009784-35.2017.2.00.0000 determinou que não sejam mais lotados juízes nas varas federais de Tefé, Tabatinga, Oiapoque, Macapá, Laranjal do Jari, Guajará-Mirim, Juína e Diamantino, com a finalidade de realocar os recursos utilizados nestes municípios em outras unidades da Justiça Federal. A suspensão de novas lotações nestas varas acarretará a extinção ou transferência da unidade da Justiça Federal daquela localidade, o que, segundo o MPF, acarretará prejuízos diversos às populações por elas atendidas.

O procedimento administrativo foi instaurado pelo MPF após recebimento de manifesto do Fórum de Educação Escolar Indígena do Amazonas (Foreeia) e de Carta Aberta das Populações e Povos Tradicionais e Indígenas do Amazonas à Procuradoria-Geral da República (PGR), ao MPF no Amazonas e ao CNJ, assinada pelo Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) e pelo Instituto de Educação do Brasil (IEB).

A Vara Federal de Tefé atende aos municípios de Alvarães, Carauari, Coari, Fonte Boa, Japurá, Juruá, Maraã, Tapauá, Tefé e Uarini. Já a Vara Federal de Tabatinga abrange os municípios de Amaturá, Atalaia do Norte, Benjamim Constant, Jutaí, Santo Antônio do Içá, São Paulo de Olivença, Tabatinga e Tonantins.

O MPF destaca que, nestes 18 municípios, existem mais de 15 unidades de conservação federais, com populações tradicionais habitantes em sua grande parte, dezenas de territórios indígenas e uma população estimada em 76 mil indígenas, divididos em 350 comunidades/aldeias, pertencentes a 18 povos.

Mesmo que sejam designados outros juízes para responder pelas varas que não terão mais lotação de titulares, o MPF considera que 18 municípios do Amazonas ficarão sem acesso aos serviços da Justiça Federal, já que o atendimento meramente virtual pelos magistrados inviabiliza, por exemplo, a realização de audiências, o que representa uma violação ao devido processo legal e ao direito de acesso à jurisdição, além de grave retrocesso social.

As unidades da Justiça Federais instaladas nesses municípios fortalecem a presença do Estado na região, pois justificam o estabelecimento de outros órgãos igualmente relevantes, como a Polícia Federal, a Defensoria Pública da União (DPU) e o próprio MPF, além de outras instituições essenciais para a prestação de serviços essenciais à cidadania.

Recurso apresentado no CNJ – O MPF no Amazonas apresentou recurso administrativo ao CNJ contra a decisão liminar que trata da não lotação de juízes nas varas federais de Tefé e Tabatinga, no Amazonas, e de outras em estados como Amapá, Rondônia e Mato Grosso.

No recurso, apresentado em 7 de fevereiro, o MPF pede a reconsideração da decisão ou o encaminhamento do caso ao plenário do CNJ para apreciação. Pede também que sejam realizadas audiências públicas em Tefé e Tabatinga, para consulta à população local sobre o tema, com a presença de representantes da Justiça Federal, do MPF, da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas e demais órgãos interessados.

O caso foi levado ao plenário do CNJ, que ratificou a decisão liminar, sem aparentemente analisar o recurso apresentado pelo MPF, que apresentou embargos de declaração da decisão do plenário. Os embargos ainda devem ser analisados pelo CNJ.

Com informações da assessoria

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.